História de sucesso no voleibol




O Rio de Janeiro descende do Paraná Vôlei Clube, de Curitiba, que era também patrocinado pela Rexona, possuía o mesmo time base e foi bicampeão da Superliga, além de ter vencido o Campeonato Carioca como convidado.

Com a parceria entre Rexona e Unilever em torno da antiga equipe, mais a volta de Bernardinho como técnico e Fernanda Venturini, o Rexona/Ades conquistou a Salonpas Cup, após uma vitória por 3 sets a 0 sobre o Osasco. Vence também o Campeonato Carioca, sendo invicto na competição.
O Rio de Janeiro passa a brilhar na Superliga 2004/2005. Invicto na fase de classificação, o time chega as finais com apenas um jogo perdido, mas acaba sendo derrotado pelo Osasco, por 3 jogos a 0, na final melhor de cinco jogos, com destaque para Érika e Mari do Osasco.

Depois da derrota na final da Superliga 2004/2005, a equipe do Rio de Janeiros vence duas Superligas consecutivas, 2005/2006 e 2006/2007. A equipe ainda disputou a Salonpas Cup 2005, ficando com o vice-campeonato ao perder por 3 sets a 0 para o Osasco e vence mais uma vez o Campeonato Carioca de forma invicta. A Superliga de 2005/2006, marcou a despedida de Fernanda Venturini das quadras com vitória por 3 jogos a 2 sobre o Osasco, com destaque para a atacante oposta Renatinha.


Na Superliga 2006/2007 o Rexona/Ades repetiu o mesmo brilho da Superliga 2005/2006, sendo a primeira equipe tetracampeã da Superliga Feminina de Vôlei, com uma final disputadíssima contra o Osasco com vitória de 3 jogos a 2, destacando-se a ponteira Regiane Bidias e a meio de rede Thaísa Menezes. O Rio de Janeiro, ainda venceu a Salonpas Cup 2006 e venceu também o Campeonato Carioca do mesmo ano.

Em 2007 a equipe venceu a Salonpas Cup, sendo tricampeã, ao derrotar o Osasco por 3 sets a 1, com destaque para a meio de rede Thaísa Menezes e conquistou a Copa do Brasil de Vôlei ao derrotar na final o Osasco por 3 sets a 0, com destaque para a atacante oposta Renata Colombo (Renatinha) na final.


Na Superliga 2007/2008, a equipe foi, mais uma vez, consagrada a melhor, ao vencer o Osasco em jogo único, disputado no Maracanãzinho, por 3 sets a 1. Tornou-se, portanto, a primeira equipe pentacampeã brasileira. O mesmo viria a acontecer na temporada 2008/2009, onde mais uma vez o Osasco apareceu pela frente na final, sendo superado por 3 sets a 2.

A partir da temporada 2009/2010 a equipa passa a ter por " nome fantasia " o nome da empresa que a patrocina, a Unilever. No fim de 2009 conquista seu segundo título no Top Volley, na Suíça.  Com um investimento anual de cerca de R$ 8 milhões, o projeto, que já é reconhecido como um exemplo de ação de marketing esportivo, vai se fortalecer ainda mais em 2009, quando a empresa completa 80 anos de Brasil. O time vai deixar de ser apenas de duas marcas – Rexona e Ades – para ganhar apoio institucional. A equipe será de todas as muitas marcas da companhia.

"Das 12 medalhistas olímpicas que estavam em Pequim, nove passaram pelo time da Unilever. No passado, quando eu joguei ou até um pouco depois, o vôlei era esporte das classes média e alta. Cresceu e graças a projetos como esse da Unilever, que tem continuidade, muitas pessoas oriundas das mais diversas áreas sociais tiveram acesso ao vôlei", acentua o técnico Bernardinho, que comanda o time.

"Quem sabe em Londres/2012, quando a Olimpíada será no país sede da empresa, que é anglo-holandesa, não tenhamos várias atletas do nosso projeto na seleção brasileira e no pódio olímpico", acrescenta o treinador.
Bernardinho ressalta que a continuidade do projeto fez com que o público do Rio de Janeiro se identificasse muito com a equipe feminina. "Foi impressionante a frequência do público na temporada passada. O ginásio estava sempre lotado. A rivalidade sadia entre mais equipes estimulou ainda mais o público."

Além do time Unilever, a empresa passa a adotar a sua marca corporativa no programa social Esporte Cidadão Unilever que já atendeu mais de 70 mil crianças, entre 7 e 15 anos, nos estados de São Paulo, Paraná e Rio de Janeiro. O Programa tem o esporte como instrumento para disseminar e fomentar valores de cidadania, bem-estar, cooperação e respeito.

Sem dúvida esse projeto é um exemplo clássico de como uma grande empresa pode ter retorno no esporte e na sociedade. 



Comente: