O Biatlo nos Jogos Olímpicos de Inverno





O biatlo retornou ao programa olímpico nos Jogos Olímpicos de Inverno de 1960 realizados em Squaw Valley, nos Estados Unidos. Em edições anteriores o esporte utilizou-se das regras da patrulha militar, sendo considerado nessa edição a estreia do biatlo moderno, com o formato atual. Apenas em 1924 o biatlo havia estado oficialmente em disputa nos Jogos Olímpicos, sendo esporte de demonstração em outras três oportunidades.

Consistiu de um único evento disputado apenas por homens no formato de 20 quilômetros de esqui cross-country, com séries de vinte tiros durante quatro períodos determinados através das distâncias de 200m, 250m, 150m e 100 metros. Nos três primeiros períodos os tiros foram realizados na posição deitada, e no último em pé. Cada erro ao alvo ocasionou no acréscimo de dois minutos de penalidade ao tempo final do competidor.

cinco eventos principais: individual, sprint, perseguição, estafetas e saída em massa pela primeira vez nas olimpíadas. Estes eventos foram divididos em diferentes distâncias e em modalidades para homens e mulheres, sendo ao todo, 10 eventos. São eles:
  • 20 km individual masculino
  • 15 km individual feminino
  • 10 km sprint masculino
  • 7,5 km sprint feminino
  • 10 km perseguição feminino
  • 12,5 km perseguição masculino
  • 4 x 7,5 km estafetas masculino
  • 4 x 6 km estafetas feminino
  • 15 km saída em massa masculino
  • 12,5 km saída em massa feminino
Vamos compreender cada tipo de evento detalhadamente.

Individual
Este é o evento original do biatlo. Os competidores saem com intervalos de 30 segundos e esquiam em um loop de 3 ou 4 km por 5 voltas. No final de cada volta (com exceção da última), eles atiram. As quatro posições de tiro, em ordem, são: deitado, em pé, deitado, em pé. Cada tiro errado adiciona uma penalidade de um minuto. As colocações são determinadas pelo tempo total, que se inicia quando o competidor sai da linha de partida e termina quando ele cruza a linha de chegada. Os vencedores deste evento terminam a modalidade em menos de uma hora.


Sprint
A modalidade sprint se parece com a individual, mas a distância é menor (cerca de 10 km) e só existem duas posições de tiro: deitado e depois em pé. Cada alvo não-atingido se converte em uma penalidade de 150 km na distância total da corrida de esqui.


Estafetas
Cada time de estafetas possui quatro integrantes. Os esquiadores da primeira leva saem da linha de partida ao mesmo tempo. Normalmente, eles chegam à primeira galeria de tiro da mesma forma. Cada membro do time esquia por 3 ou 4 km, atira deitado, esquia por outros 7,5 km e atira em pé. Os competidores devem marcar o próximo membro do time para começar a próxima etapa da corrida. Nesta modalidade os atletas disputam diretamente com os outros competidores. O vencedor é aquele que cruzar primeiro a linha de chegada.


Perseguição
A modalidade perseguição não é comum nos eventos olímpicos. Nesta modalidade, os vencedores da corrida anterior determinam os participantes da nova corrida. Os 60 primeiros colocados da modalidade sprint estão qualificados para o modo de perseguição. Eles começam o evento de 12,5 km (10 km para as mulheres) em intervalos baseados nos tempos de corrida no modo sprint, mas os corredores competem entre si. Isso significa que, quem for bem no sprint e começa a perseguição primeiro, tem uma vantagem sobre os outros, que estão em constante "perseguição". Esta modalidade possui quatro posições de tiro: deitado, deitado, em pé e em pé.


Saída em massa
O mais novo evento de biatlo é um colírio para os espectadores. Como a perseguição, a participação neste evento é determinada pelo resultado das corridas anteriores. Os atletas que ganharam medalhas nos eventos individuais se qualificam para a modalidade de saída em massa e os rankings mundiais da IBU determinam os demais participantes, que chegam a 30. Os homens esquiam por 15 km e as mulheres por 12,5 km. As quatros posições de tiro são: deitado, deitado, em pé, em pé. Esta é uma competição de um contra o outro e todos os competidores saem da linha de partida ao mesmo tempo.

Os biatletas precisam de equipamento para o esqui cross-country e para atirar. Os equipamentos de esqui são idênticos aos utilizados pelos esquiadores cross-country. Eles usam roupas de corrida de lycra coladas ao corpo para eliminar a resistência do vento e dar ao competidor liberdade de movimentos. Nas temperaturas mais baixas, utiliza-se uma camada de base para criar isolamento. Além disso, os biatletas usam luvas e chapéus feitos de materiais leves. Eles também usam óculos, quando necessário. Óculos escuros são eficazes para diminuir a claridade do sol refletido na neve.

Como os biatletas adotam o estilo freestyle de esquiar, eles precisam de esquis que sejam mais curtos e rígidos que os tradicionais esquis cross-country. As pontas também não são tão curvadas. Os biatletas aplicam uma cera especial na parte inferior de cada esqui.

Os esquis cross-country só se prendem ao dedão do pé, permitindo que o pé flexione e se mova livremente. Diferentemente, os esquis de alpes se prendem ao dedão e ao tornozelo. As botas cross-country são mais leves e mais flexíveis do que as botas utilizadas no esqui downhill (descida livre).

As hastes de esqui para as modalidades de esqui cross-country freestyle são mais longas (chegam ao queixo do esquiador) e rígidas. Cada haste é um tubo de metal leve com uma empunhadura e um disco na outra extremidade, evitando que a haste afunde na neve. Antigamente, os biatletas utilizavam poderosos rifles militares. Em 1978, o rifle calibre .22 se tornou o padrão internacional. Hoje em dia, os rifles de biatlo não utilizam miras óticas ou dispositivos automáticos e semi-automáticos. Os rifles usam uma munição mais leve. Entretanto, pela regra internacional, eles devem pesar, no mínimo, 3,49 quilos.


Foto cedida Eberlestock
Um rifle calibre .22 de biatlo

Os competidores carregam os seus rifles em uma mochila que suporta apenas um rifle. O rifle é coberto quando o competidor está longe da galeria e uma capa protetora cobre a culatra para evitar que neve e umidade entrem no cano do rifle.

A munição deve ser o padrão internacional calibre .22 de rifle de longa distância, feita de chumbo ou liga de chumbo. Ela é carregada em um paiol que contém 5 balas. Na modalidade de estafetas, três balas extras são armazenadas na parte de trás do paiol. Os competidores guardam-nas em um copo na galeria de tiro e as utilizam somente se necessário. A munição é guardada durante a corrida de esqui e o rifle só é carregado na galeria.

No momento de atirar, os biatletas amarram o rifle ao seu antebraço, o que permite mais estabilidade a eles.



Os alvos são discos de metal localizados em uma caixa pequena. Quando o biatleta atinge o alvo, um disco de cor diferente aparece. Os alvos modernos são controlados por computadores que identificam se o alvo foi atingido ou não.

Técnicas de biatlo

Esqui

O atleta de biatlo precisa dominar as técnicas de esqui cross-country. O estilo clássico, em que o esquiador "corre" em cima dos esquis e mantém todo o esqui em contato com a neve, não acontece nas competições mais avançadas. Neste caso, os biatletas utilizam técnicas de skate freestyle. Os esquiadores inclinam cada esqui para um dos lados e empurram, forçando a lâmina de um dos esquis na neve e alternando entre cada um deles. O estilo básico possui pequenas variações, dependendo da velocidade e da inclinação do trecho. Por exemplo, para trechos de downhill mais rápido, as hastes não são usadas, pois o esquiador ganha velocidade quando não as utiliza.



Existe uma exceção para a regra "não-clássica". Como o método freestyle mexe na neve, nos primeiros 100 metros de um evento de estafetas, o esquiador deve manter a neve limpa para os outros membros.

Tiro
Antes de cada evento de biatlo, os competidores e os seus treinadores ajustam os rifles. Eles dão alguns tiros para ajustar as miras dos rifles a fim de compensar as condições de temperatura, vento e luz. Parafusos de metal nas miras fazem um clique em cada ajuste. Um treinador pode olhar para um tiro e mandar o atleta ajustar a mira quatro cliques para baixo, por exemplo. Em alguns eventos, os treinadores dão aos atletas dicas de mira entre os segmentos de tiro. Eles também desempenham um papel importante durante os eventos contra o relógio. Como essas corridas não são contra outro competidor, pode ser difícil para um atleta saber como ele está na corrida em relação aos seus oponentes. Um treinador pode informar ao seu atleta quantos segundos ele está à frente ou atrás de um outro competidor. Isto não é apenas mais uma informação e pode dar aos biatletas mais gana para derrotar o outro esquiador.



Uma das técnicas mais importantes do biatlo é quase invisível para o espectador inexperiente. Devido às penalidades por errar os alvos, é muito importante atingir o máximo de alvos possível. Isto é muito difícil quando você está em uma corrida e seus pulmões estão queimando após uma longa corrida de esqui. Por isso, a maioria dos esquiadores não chegam correndo à galeria de tiro. Ao se aproximarem da posição de tiro, eles diminuem a velocidade. Em vez de correr, o seu foco é controlar a respiração e descansar os músculos. Isso pode fazer uma grande diferença quando o atleta precisa atingir um alvo com apenas alguns centímetros de diâmetro.



Comente: