CT paralímpico só deve ser liberado para utilização no fim de 2015




Projeto mais aguardado da história do esporte paralímpico do país, o Centro Paralímpico Brasileiro, em São Paulo, deverá ser liberado para uso dos atletas, no fim de 2015 (entre outubro e dezembro), cerca de oito meses antes das Paralimpíadas Rio 2016, cuja abertura vai ser no dia 7 de setembro de 2016. Esta foi uma das resoluções de uma vistoria da obra realizada nesta terça-feira pelo Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB), pelo ministro do Esporte, Aldo Rebelo, e pelo governador de São Paulo, Geraldo Alckmin. Com investimento de R$ 264,7 milhões, o CT é uma parceria dos governos federal (R$ 145 milhões) e estadual (R$ 119,7 milhões). Também será dividido entre as duas esferas o gasto de R$ 24 milhões com equipamentos esportivos. O espaço, dentro do Parque Estadual Fontes do Ipiranga, na Zona Sul da capital paulista, abrigará 15 modalidades paralímpicas e terá alojamento para 280 pessoas. 

- O prazo de entrega da obra é maio de 2015. Dependendo do andamento da obra, isso pode ser adiantado para abril de 2015. Porém, após a entrega serão necessários alguns meses para a instalação dos equipamentos esportivos, das piscinas e pistas. E isso tudo envolve processos de licitações para compra dos equipamentos. Por isso, o planejamento é que o primeiro atleta possa treinar no CT no fim de 2015 ou começo de 2016 - explicou nesta terça-feira o presidente do CPB, Andrew Parsons.

Obra CT Paralímpico São Paulo (Foto: Divulgação)

Ansioso pela inauguração do CT, o nadador Daniel Dias, dono de 15 medalhas paralímpicas, não vê a hora de poder treinar no parque aquático que fará parte da imponente estrutura.

- É um sonho nas nossas vidas ter esse CT. Ele vai nos ajudar muito a buscar resultados melhores nas competições. Só a China e a Ucrânia têm um CT do nível que nós vamos ter aqui no Brasil. Nós estamos muito animados com o nosso futuro - comentou Daniel.

Questionado sobre o tempo que ele e os outros brasileiros terão para se preparar no CT para os Jogos do Rio, Daniel Dias disse que o ideal seria ter ao menos um ano de treinamentos no local. Porém, ele acredita que isso não vai atrapalhar a meta do Brasil de ficar entre os cinco primeiros colocados no quadro de medalhas. Nos Jogos Paralímpicos de Londres 2012, o país obteve a sua melhor colocação na história da competição, ao terminar em sétimo lugar, com 21 medalhas de ouro (seis delas do nadador), 14 de prata e oito de bronze, num total de 43.

- Mais tempo para treinar na casa nova seria melhor. Mas, com certeza, no tempo que for de preparação para os Jogos, o CT já vai fazer com que o Brasil evolua em várias modalidades, contando a natação. Vai ser muito legal ter 15 modalidades juntas no mesmo lugar. Com mais estrutura, o Brasil vai crescer em número de medalhas no Rio 2016 - afirmou Daniel.

As 15 modalidades que serão contempladas com a construção do CT são: atletismo, bocha, esgrima em cadeira de rodas, futebol de 5, futebol de 7, halterofilismo, rúgbi, tênis em cadeira de rodas, vôlei sentado, basquete em cadeira de rodas, natação, golbol, judô, tênis e triatlo.

Maquete CT Paralímpico SP (Foto: David Abramvezt)

Maquete CT Paralímpico SP (Foto: David Abramvezt)