Aspectos da Pliometria para ser observados no Basquete










Os exercícios pliométricos são definidos como aqueles que ativam o ciclo excêntrico concêntrico do músculo esquelético, provocando sua potenciação mecânica, elástica e reflexa. Esse ciclo refere-se às atividades concêntricas precedidas por uma ação excêntrica, cujo propósito é aumentar a força explosiva do músculo pelo armazenamento de energia elástica na fase de pré-alongamento e sua reutilização durante a contração concêntrica, além da ativação do reflexo miotático.

A capacidade de saltar é uma das mais importantes para o aprimoramento físico no basquetebol. Esse tipo de capacidade aprimorada permite que o atleta tenha chances maiores de ser bem sucedido, por exemplo: no rebote, no arremesso (% de acerto), bandeja e bloqueio, e porque não, também nos sistemas aplicados ao basquete em geral.

A inclusão de exercícios pliométricos dentro de um programa de treinamento físico tem como objetivo o aumento do desempenho atlético, portanto necessita de cuidado e planejamento. Três aspectos precisam ser observados:

-  A escolha dos exercícios pliométricos a serem utilizados deve refletir as demandas específicas da modalidade esportiva. Por exemplo, um lutador de boxe precisa de força–rápida do troco e braço, portanto se beneficiara de exercícios como flexões de braço em queda.

- A pliometria deve estar integrada com o programa geral de treinamento do atleta.

- O domínio técnico dos exercícios é fundamental.

Embora as capacidades de salto e velocidade sejam limitadas em cada jogador, pode-se aprimorá-las com um programa cientificamente elaborado para desenvolver a força e potência dos músculos envolvidos. Para tanto é preciso que cada vez mais o treinamento físico e técnico, seja o mais próximo possível da realidade do jogo.






Dicas para Profissionais:
  • Atividades para aplicação imediata em aulas

  • Nos Siga nas Redes Sociais: Twitter, Facebook, Instagram, Youtube . Adicione no grupo do Whatsapp

    Comente: